[Sir Arthur Conan Doyle]

Arthur Conan Doyle, nasceu em Edimburgo, na Escócia, em 22 de maio de 1859. O autor é responsável pela criação de dois dos personagens mais emblemáticos da história da literatura investigativa: Sherlock Holmes e Doutor Watson.

Antes de se tornar mundialmente conhecido pelas histórias do detetive de Baker Street, o autor estudou e se formou em medicina pela Universidade de Edimburgo, atividade que exerceu até 1891, quando montou um consultório, onde começou a escrever seus contos investigativos.

O conto “Um estudo em vermelho”, publicado em 1887 pela revista Beeton’s Christmas Annual, foi a primeira aparição dos personagens Holmes e Watson. Com eles, Conan Doyle imortalizou o método de dedução utilizado nas investigações e o ambiente da Inglaterra vitoriana. A ampla bibliografia de Arthur Conan Doyle, em que se relatam as aventuras de Sherlock Holmes e seu fiel parceiro, é conhecida como “cânone holmesiano”, e é formada por quatro romances e 56 contos.

O estilo direto da narrativa e a vivacidade dos diálogos, acrescidos do poder de imaginação nas tramas, fazem de Conan Doyle um autor muito apreciado. Sua engenhosidade teve o mérito de estimular o desenvolvimento da criminologia. E seus livros jamais foram superados – nem mesmo pelo moderno romance policial, quase sempre de estilo mais agressivo.

Outros trabalhos de Conan Doyle foram obscurecidos por sua criação mais famosa, e, em dezembro de 1893, ele matou Holmes, no conto “O problema final”. Holmes ressuscitou no romance O cão dos Bas­kerville, publicado entre 1902 e 1903, e no conto “A casa vazia”, de 1903, quando Conan Doyle su­cumbiu à pressão do público e revelou que o detetive conseguira burlar a morte.

Em 1902, Conan Doyle foi nomeado cavaleiro pelo apoio à polí­tica britânica na guerra da África do Sul, recebendo o título de Sir. Conan Doyle morreu no ano de 1930 na Inglaterra.

 

Conheça alguns os livros do autor:

Um estudo em vermelho
Primeira história de Sherlock Holmes e o primeiro livro publicado por Sir Arthur Conan Doyle. Um estudo em vermelho propõe um enigma terrível e invencível para a polícia, que pede auxílio a Holmes: um homem é encontrado morto, sem ferimentos e cercado de manchas de sangue. Em seu rosto uma expressão de pavor. Um caso para Sherlock Holmes e suas fascinantes deduções narrado por seu amigo Dr. Watson, interlocutor sempre atento e não raro maravilhado com a inteligência e talento do detetive.

 

O enigma do trem perdido

O livro é uma reunião de contos de Conan Doyle, sendo ‘O enigma do trem perdido’ apenas um deles. São treze histórias no total e todas elas com algum elemento de mistério, fantasia ou alguma outra coisa que foge à realidade convencional.

 

O signo dos quatro
Segunda aventura de Holmes e Watson, o livro narra a história da senhorita Mary Morstan, que uma vez por ano recebe pelo correio uma pérola, sem qualquer menção quanto a quem seria o remetente. Quando seu misterioso admirador pede um encontro, Sherlock Holmes e Dr. Watson começam a trabalhar no caso. Uma morte terrível e o desaparecimento de um tesouro levam a uma caçada pelas ruas escuras de Londres e pelas margens do rio Tâmisa.