Horário de funcionamento 8h às 22h. Informamos que o telefone da biblioteca não está funcionando, em caso de necessidade de contato, envie um e-mail para bibichs@sisbin.ufop.br

Solicitação on-line para alunos, professores e técnicos administrativos

Read More

Orientações sobre o uso da Biblioteca e seus serviços

Read More

[Dia Mundial do Livro]

Dia 23 de abril é comemorado o dia mundial do livro. A data foi criada durante a XXVIII Conferência Geral da UNESCO e tem como objetivo promover o prazer da leitura, a publicação de livros e a proteção dos direitos autorais.

A data foi escolhida por ser o dia em morreram Miguel de Cervantes e William Shakespeare, escritores que influenciam até hoje a literatura produzida no mundo.

[Lygia Fagundes Telles]

Nascida em São Paulo, no dia 19 de abril de 1923, Lygia Fagundes Telles é uma escritora brasileira. A autora é considerada a principal representante da literatura feita dentro do movimento pós-modernista nacional.O estilo de Lygia Fagundes Telles é caracterizado por representar o universo urbano e por explorar de forma intimista a psicologia feminina.

Seu interesse por literatura começou na adolescência e Lygia chegou a publicar seu primeiro livro aos 15 anos, com o título “Porão e Sobrado”, mas só depois de se formar em Direito e Educação Física, na Universidade de São Paulo, que a autora passou a se dedicar profissionalmente à literatura. Sua estreia oficial como escritora ocorreu em 1944, com o volume de contos “Praia Viva”.

Já com uma carreira consolidada na literatura foi eleita para a Academia Paulista de Letras, em 1982. Em 1985, tornou-se a terceira mulher eleita para a Academia Brasileira de Letras. E em 1987, foi eleita para a Academia das Ciências de Lisboa.
Entre os muitos prêmios que recebeu, destacam-se o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do livro, com a obra “As Meninas”, em 1974; o Prêmio Jabuti com a obra “Invenção e Memória”, em 2001; e o Prêmio Camões recebido no dia 13 de outubro de 2005, em Porto, Portugal.
Em 2016 e aos 92 anos de idade, Lygia Fagundes Telles tornou-se a primeira mulher brasileira a ser indicada ao prêmio Nobel de Literatura.

Confira algumas obras da autora:

As Meninas

As meninas relata os conflitos no relacionamento de três jovens que têm entre si um ponto em comum, a solidão, e como pano de fundo os governos militares. Três universitárias compartilham com algumas freiras um pensionato em São Paulo. Ana Clara gosta de um traficante e vive drogada. Lia briga contra o regime, Lorena, filhinha de papai, ajuda as outras duas com dinheiro. Lia se envolve com Miguel, que é preso e trocado por um diplomata. Sem ligar para a política ou as drogas, Lorena se apaixona por um médico casado e pai de cinco filhos.

A estrutura da bolha de sabão:contos

Esta reunião de oito contos escritos por Lygia Fagundes Telles em épocas e circunstâncias diversas atesta não apenas a excelência da prosa da autora mas também a sua condição de notável “pesquisadora de almas”, conforme a definiu o crítico Nogueira Moutinho.
Os protagonistas destas histórias encontram-se, em geral, numa relação crítica com as pessoas e ambientes que os cercam — e também consigo próprios.  A vida, parece nos dizer a autora, é frágil, fugaz e misteriosa como uma bolha de sabão.
Antes do baile verde
‘Antes do Baile Verde’  é um dos livros mais marcantes da carreira de Lygia Fagundes Telles. Os contos, escritos entre 1949 e 1969, deixam claro para o leitor por que a autora é uma das mais representativas e premiadas escritoras brasileiras em atividade. Estão presentes no livro algumas histórias emblemáticas como ‘O jardim selvagem’ e ‘Meia-noite em ponto em Xangai’.
Narrativas turbulentas, de diálogos cuidadosamente esculpidos e marcadas por finais em aberto. A autora demonstra uma coragem singular para trabalhar pontos mais delicados da condição humana através de personagens cínicos, amargos e, principalmente, cruéis.

[Philip Roth]

Nascido em Newark, Nova Jersey, no dia 19 de março de 1933, Philip Roth é um romancista norte-americano de origem judaica, considerado um dos maiores escritores norte-americanos da segunda metade do século XX.
Suas obras refletem os problemas de assimilação e identidade dos judeus dos norte-americanos.

O autor é conhecido sobretudo por seu alter-ego, Nathan Zuckerman protagonista de diversos de seus livros. E em 1998, seu livro Pastoral Americana recebeu o Prêmio Pulitzer de Ficção.

Entre as suas obras mais conhecidas encontra-se a coleção de contos Goodbye, Columbus (1959), a novela O complexo de Portnoy (1969), e a sua trilogia americana, publicada na década de 1990, composta pelas novelas Pastoral Americana (1997), Casei com um comunista (1998) e Complô contra a América (2004).

 

Confira alguns livros do autor:

 

Complexo de Portnoy

No divã do psicanalista, Alexander Portnoy – um jovem e bem-sucedido advogado nova-iorquino – tenta resolver os problemas sexuais que o atormentam, passando em revista toda sua existência.

 

Complô contra a América

O livro conta a história de Philip, o protagonista, cuja família Roth é judia. Nos anos 1940 parece não haver melhor lugar no mundo para ser judeu do que os Estados Unidos. Mas quando Franklin D. Roosevelt, ao tentar reeleger-se para um terceiro mandato, perde para Lindbergh, o cenário se torna sombrio. O aviador é um ardoroso defensor da Alemanha nazista, um homem para quem os Estados Unidos deveriam se defender da diluição nas raças estrangeiras.

 

Goodbye, Columbus

Primeiro livro inédito publicado pela Companhia de Bolso, Adeus, Columbus é o livro de estréia de Philip Roth. Foi com essa coletânea de ficções curtas que o hoje consagrado escritor norte-americano surgiu no cenário da literatura mundial.

 

Operação Shylock

Em 1988, Philip Roth descobriu que tinha um sósia em Israel. Esse homem havia se apropriado de seu nome, de sua biografia, e se julgava imbuído da missão de levar de volta à Europa os judeus israelenses. O caso serviu de base para este vigoroso romance.

 

Pastoral Americana

Empresário judeu bem-sucedido, Seymour Levov casa-se com uma católica em 1949, prefere contratar negros em sua fábrica e dá uma educação liberal à filha. Suas ilusões acabam destruindo o lar que ele imaginava perfeito, à moda dos ideais americanos.